Header

Anuncie
Ciência

Como funcionam as ilusões de ótica?

ilusao-otica-gif

Professor de Física da UFMG explica como nosso cérebro interpreta imagens e como os fenômenos de ilusão acontecem.

Você acredita em tudo o que seus olhos vêem? Temos a tendência de confiar totalmente em nossa visão, como se fosse uma câmera de vídeo potente. Porém, mesmo equipamentos modernos podem interpretar mal algumas situações e o mesmo acontece com a visão: ela pode nos enganar. 

Durante o processo de interpretação de imagens no cérebro pode ocorrer inúmeros distúrbios e anormalidades onde o cérebro é, literalmente, enganado. Em entrevista ao portal Alto Astral e em emails a nossa equipe o professor de Física da UFMG no esclarece alguns pontos:

“A ilusão de ótica ocorre quando o sistema visual humano é iludido por algum fator, fazendo-nos ver uma coisa de modo diferente do que ela realmente é”, descreve o professor de física Patrick de Almeida Pinto.

ilusão de otica 1024x576 - Como funcionam as ilusões de ótica?

Sensação de movimento e profundidade.

Na verdade, não vemos o mundo apenas com nossos olhos, mas também com o cérebro. Esse órgão é o responsável por captar as informações ao nosso redor através da luz e dar algum sentido e ordem a elas, organizando todo o mundo como conhecemos em imagens. “O olho é o órgão sensorial que capta a energia luminosa e a converte em sinais elétricos que são transmitidos para o cérebro para processamento e formação das imagens”, define João Jorge Cabral, médico, psiquiatra, psicoterapeuta e presidente da Associação Brasileira de Hipnose.

Porém, podem haver interferências no processo de captação e interpretação, dependendo do que é importante para nós no momento ou onde nossa atenção está fixada. Por isso, as ilusões nos fazem enxergar ou crer em algo que não está presente naquele instante – ou nos faz enxergar imagens de uma forma errada ou incoerente.

O sistema visual humano pode ser dividido em duas partes: fisiológico e cognitivo. “A parte fisiológica capta a luz que adentra o olho pelo cristalino, ela é convergida pela retina e captada pelos cones e bastonetes. A parte cognitiva está relacionada à interpretação dos dados recebidos pelo olho e transmitidos pelo nervo óptico ao cérebro, que tem a função de imaginar o objeto enxergado. Afetar algum funcionamento ou enganá-lo pode causar uma ilusão de ótica”, explica o professor.

O tipo cognitivo de ilusões de ótica é o mais comum de ser visto. Diferente das ilusões fisiológicas, as do tipo cognitivo usam como base o nosso conhecimento de mundo para nos confundir. É o caso da ilusão acima: nós vemos tanto um par de rostos como um vaso porque já temos conhecimento destas duas formas. Uma ilusão de ótica do tipo cognitivo também pode brincar com a nossa percepção de profundidade e de geografia, fazendo objetos parecerem mais longe ou perto do que realmente estão, por exemplo:

ilusao otica espaco - Como funcionam as ilusões de ótica?

Sensação de espaço e sentido.

Neste caso as ilusões de ótica ocorrem em situações (ou mesmo obras de arte) onde nosso cérebro é desafiado a interpretar uma situação ímpar, da qual a realidade que está acostumado, não faz sentido. Diante deste confronto, um mecanismo de sobrevivência (uma espécie de instinto) é ativado, o de atribuir características próximas a realidade com base nas experiências e situações observadas.

Se você for confrontado com a imagem acima, de um cruzamento, certamente vai se deparar com um cruzamento normal, mas após alguns segundos perceberá que a cena não faz sentido, e que o conceito de “em cima” e “em baixo” estão em paradoxo. Seu cérebro interpretou em um primeiro momento como sendo uma cena normal em uma breve tentativa de parecer natural.

Comente também!

comentários

Clique para Comentar

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Psicodelizando é mantido pela Psicodelia Minha Doce Esquizofrenia, um portal criado para compartilhar ideias, experiências, arte e ativismo. Estamos em conformidade com a lei e não fazemos apologia a nenhum tipo de substância.

Siga-nos

CIMA